...

...

O povo? esperem sentados kkkkkkk

Como falam em nome do povo, do bom selvagem, de toda esse clichê vomitado por Rousseau. O povo meus queridos está ocupado com outras coisas, e não serão libertadores formados em apostilas de marxistas que leram o que escreveram de Marx que irão acordar o povo. 

Deixem o povo dormir se o povo quiser dormir, deixem o povo sentir as delícias de suas escolhas, ou a acidez delas. Sim acidez, ou lá na sua faculdade na sua época porra louca seus amiguinhos não tomavam ácido? O povo tem seus ácidos, seus ópios, suas satisfações, querem construir barracos para alugar caríssimo, querem ter o que as madames têm, querem tomar birinight de cinco reais e usar Halls preto no sexo oral enquanto esperam a fraldinha na brasa. 

O povo sempre encontra um jeito, até porque quando a onça for beber água vocês não enfrentarão os milicos, cantarão como canários antes de embarcar no Air France, e o povo… ah o povo será uma espécie de alter ego pra sanar as culpas de vossas covardias. Culpinha sim, ou não sabiam que este país foi formado na culpa cristã? Os padres tinham escravos por aqui e por mais ateuzinho que você se considere a ilustre dama que te pariu te formou ou foi formada no cristianismo tupiniquim cheio de culpa. Buááá. Vivem com culpa, o povo no lugar de vocês iria viver e ser feliz, com a grana que vocês têm o povo não pensaria duas vezes porque cá entre nós… uma hora todo mundo aprende a viver sem culpa.

O povo sempre se virou sem vocês, ilustres libertadores de piscina aquecida de condomínio. O povo quer carro novo e televisão de 90 polegadas e conseguirá isso com ou sem você, e mesmo que você diga que eles são consumistas manipulados e o car&*¨lho a quatro sempre vai ter um pra apontar a contradição em você. O povo quando precisa sabe se organizar, inventa mecanismos que deixam os antropólogos burgueses com vontade de nunca mais sair da favela, mas a vontade passa quando a saudade do Coco Bambu aperta. O povo deixou vocês na mão em 2016 e agora nem sinal da rebelião, daquela imaginada por aquele deputado paulista empunhando o punho esquerdo antes de entrar na PF. 

O povo está em outra vibe muito mais interessante que essa da culpa e da vitimização crônica. É verdade que anda viciado em acionar o Estado pra tudo. Antigamente conseguiam se mobilizar pra manter a rua limpa, agora, chamam o DFTV pra tudo porque sabem que o DFTV vai perguntar pro Estado. Bom o povo, o povo, o povo, se vocês não fossem tão estrangeiros no próprio país saberiam que o povo… é como disse Perón 

“las masas avanzarán con sus dirigentes a la cabeza o con la cabeza de sus dirigentes”.


Enquanto isso vamos ouvir Anita.


PS.: e parem de duvidar das provas dos fatos desses caudilhos mafiosos, já está pegando mal. Estão me fazendo lembrar um tio materno meu que duvidava que a mulher o traia e quando ela disse com todas as letras que ia embora ele não acreditou, e quando ela foi embora com o Ricardão ele disse que "ela estava com a cabeça fraca". Curem essa deprê de uma vez e evitem a Globo News.


Essa outra aqui é massa:




ANARQUISTAS!! NÃO SIRVAM DE "CAMISINHA" DA ESQUERDA COVARDE

Os escaladores sociais disfarçados de socialistas neste momento aplaudem qualquer uso da força contra o governo Temer. Perderam momentaneamente importantes fontes que lhes permitiam viver como burgueses.

Agora, o principal problema do anarquismo é o de servir de “camisinha” aos esquerdistas que estão maluquinhos para voltar ao poder. A falácia do típico militante esquerdista costuma contemplar elogios aos anarquistas em tempos de crise porque a juventude anarquista possui matéria prima escassa nos redutos pequeno burgueses da intelectualidade esquerdista, a coragem.

Contribuir com a queda do governo Temer significa ajudar um Lula, um Ciro Gomes, uma Marina; Significa servir de “camisinha” na grande SURUBA pelo poder nacional. Esse perigo tem sua razão de existir. Historicamente muitos anarquistas serviram de “camisinha” pra esquerda. Nunca te perguntastes por quê?

É comum rotular o anarquismo como alternativa radical de esquerda por quê o bom anarquista se importa com os pobres. Falácia total! A esquerda e a direita se baseiam em propostas de poder mediante o uso de partido e estruturas hierárquicas, não existe esquerda e direita sem organização hierárquica e sem projeto de PODER. O anarquismo é a alternativa para justamente fugir dessa estrutura de interpretar e administrar a natureza. Quem, sendo anarquista, aceita o rótulo de esquerdista manifesta no mínimo sinal de autoestima baixa e necessidade exacerbada de pertencimento grupal, desconhecendo, portanto, a origem da dicotomia esquerda / direita. Onde estavam os anarquistas na Revolução Francesa? Talvez festejando a queda do Rei, mas no Parlamento francês nunca entraram.

A necessidade da liberdade e da autogestão neste momento se impõem, a sociedade está cada vez mais desgostosa com o modelo decadente e ridículo de escaladores sociais, oportunistas, demagogos, hipócritas em geral travestidos de “salvadores da pátria”, “luminares”, “santinhos da ética”. O exemplo diz mais do que a falácia, a sociedade brasileira já não engole a isca das falácias socialistas, já não quer ser mulher de malandro e parece estar mais atenta. É preciso impor o exemplo da liberdade e da autogestão como ferramenta de transformação, quem quiser seguir que siga. Distribuir sopa, resgatar animais da rua, apresentar aos jovens as falácias do puxa-saquismo de esquerda, exercitar a liberdade em todas as suas formas possíveis, apontar as armadilhas do controle social “bem intencionado”, dizer aos félas das p&*¨%$ que o seu tempo acabou.

porque ...NÃO EXISTE ANARQUISMO DE ESQUERDA NEM DE DIREITA.

Quando Fischer venceu Spassky e seus 36 acessores da kgb na final mundial do xadrez 1972

Fischer embarcou sozinho à Islândia



(jogada final / Fischer jogava com as brancas na 6º partida que mandou os russos para casa)




A OTAN cuidando da papoula afegã?

A briga é boa: petróleo 2% pib mundial; Droga 10.0 % do pib mundial.


O trabalho feito no Instituto Reciclando Sons, na Estrutural DF, com jovens de periferia é tremendo.


Quando Steven Spielberg perdeu pra Afonso Brazza

Num filme ruim sempre se pode pescar frases úteis, isoladas e certeiras. Neste tipo de película considero covardia a crítica totalizante, uma falta de respeito para com todos os envolvidos. 

Cineasta e  atores levam as pancadas que também são sentidas pelos anônimos que seguram fios, lanches e correm tanto ou mais que os famosos. Os filmes ruins são os melhores, estimulam a inteligência de outra forma, onde o espectador se encontra mais consigo e tem a chance de preencher as falhas e inconveniências praticadas pelos que tiveram os meios e não conseguiram ou erraram deliberadamente. 

Quando eu trabalhei numa rede yankee de cinemas conheci Afonso Brazza, no shopping pier 21 de Brasília, lá pelo ano 2001. Fumamos juntos quando ainda se podia fumar naquele lugar, desempenhávamos papéis diferentes ali, eu carimbava os ingressos e vendia pipoca, o Brazza buscava informações de bilheteria sobre o seu filme de escassos recursos onde qualquer um era ator, e naqueles dias disputava o público com Steven Spielberg dirigindo a nova versão do filme E.T. 

Ganhei uma camiseta do filme autografada pelo Brazza, não a tenho mais,  a perdi no ano seguinte próximo aos dias em que o bombeiro e cineasta morreu, tampouco lembro do título do filme do Brazza, mas sei que rimos de uma  mentira que contei antes de terminar o cigarro e voltar pro trabalho: Brazza voce está batendo muito no Spielberg.

Herrade de Landsberg


Herrade de Landsberg escreveu o Hortus deliciarum (Jardim das delícias). Essa era a principal enciclopédia do seu tempo, eruditos consultavam a tal obra. 

Graças aos renascentistas e iluministas o acesso à esse tipo de dado é até hoje dificuldado pelo preconceito histórico. Herrade de Landsberg viveu na "Idade das Trevas", no século XII.

A ilustração acima estava no Hortus deliciarum, representa as sete artes liberais, trivium (retórica, gramática e lógica) e quadrivium (aritmética, música, geometria e astronomia).

HÚBRIS

Um tema tabu inegavelmente pouco encarado na história é o do declínio.

O historiador inglês Toynbee o abordou e lançou as bases, que eu saiba ainda firmes, para a análise comparada das civilizações e seus respectivos colapsos.


Contrariar as capacidades é uma ação que na natureza se torna óbvia para qualquer observador. O curto circuito, o estouro de um balão, uma sacola rasgada refletem a incapacidade física de certas estruturas frente a certos desafios.


A incapacidade existe, traz consequências em certas condições de exposição e não se limita aos fenômenos físicos.


Toynbee tocou a ferida.


Uma representação da húbris pode ser vista na pintura de Hans Sebald Beham sobre o impossível em 1595. A preocupação do pintor com a húbris é refletida na mensagem escrita em alemão arcaico Niment under stesich groser Ding, die im zu thun unmuglich sindt (“nunca se proponha fazer aquilo que lhe seja impossível conseguir”).


O CÍNICO E O IMPERADOR

Alexandre a Diógenes: o que posso fazer por você?
Diógenes a Alexandre: Não me faças sombra.
Alexandre aos oficiais zombadores: Se eu não fosse Alexandre, queria ser Diógenes.

Diógenes originou o cinismo. 

Cínico, do grego Kynikos-Kynon, cão. 

Defendia que o ser humano deveria estudar o cachorro para assim viver sem constrangimento, ansiedade ou hipocrisia. Vivia como mendigo, procurando com uma lamparina um homem honesto.

Sócrates educou Antístenes; Antístenes educou Diógenes.

Sócrates educou Platão. Platão educou Aristóteles. Aristóteles educou Alexandre.

A ESCRAVA E O JUDEU

Um judeu brasileiro, Antônio José, foi refém de uma escrava nascida em Cabo Verde, Leonor Gomes . Capistrano de Abreu em artigo publicado em 1904 no Almanaque Garnier e no Jornal do Commercio em 1905 resgatou o conflito.

"Apesar de escrava, não tendo nunca passado pelo Santo Ofício, considerava-se superior aos donos, chamava-lhes cachorros, canalhas, judeus, falava em deitar fogo à casa e ameaçava denunciá-los à Inquisição. Cumpriu a ameaça em começo de outubro de 1737. A 3 foi lavrada ordem de prisão."

Ensaios e Estudos, Capistrano de Abreu, Edições do Senado Federal, Volume 9, 2010.

A LEITURA SEGUNDO BORGES

(Colección Megafono, 1935)
"Leer, por lo pronto, es una actividad posterior a la de escribir: más resignada, más civil, más intelectual."

Jorge Luis Borges, História Universal de la Infamia, Buenos Aires 27 de mayo de 1935.

AVAREZA, SEGUNDO DANTE ALIGHIERI

A LOBA (AVAREZA) AMEAÇA DANTE
Eis surge loba, que de magra espanta;
De ambições todas parecia cheia;
Foi causa a muitos de miséria tanta!

(...)
 SURGE ENTÃO VIRGÍLIO QUE ANALISA A TAL LOBA
A fera, que te faz bradar tremante,
Aqui passar não deixa impunemente;
Tanto se opõe, que mata o caminhante, 

Tem tão má natureza, é tão furente,
Que os apetites seus jamais sacia,
E fome, impando, mais que de antes sente.

DIVINA COMÉDIA

Pintura Jeronimus Bosch, A morte do avarento